Não Basta o golpe parlamentar, tem que dar um golpe no marketing também.

Realmente o Brasil não é para amadores. Como se não bastasse o golpe Parlamentar, o Golpe Midiático e a com a anuência do judiciário, o (des)governo Temer mostra que ainda há cartas golpistas nas mangas, um golpe de marketing.

Pondera bem a Christina Lemos do R7 quando diz que é uma tentativa de “humanização” do presidente em exercício. E isso pra que? Ora, para se mostrar que o Temer é gente como a gente, para mostrar que o golpista é uma pessoa comum.

Junto com a Bela, Recalcada e do Lar, o golpista que investe em um marketing pessoal para se aproximar da grande parcela da população brasileira que não o vê como uma opção correta para presidir o país e querem novas eleições[1]. Temer, descaradamente dá a impressão que quer ficar no cargo de presidente sem dar ouvidos ao que o povo deseja.

Já o tão falado combate a corrupção… Não será com ele, já que a prioridade do pacote anticorrupção foi retirada do congresso[2].

O que clarifica a cada dia é o golpe consumado e cada vez nos surpreendendo com novas artimanhas dos golpistas, onde a opinião popular não tem vez.

Alguns trechos de reportagens sobre o “pai” Temer.

Em uma tentativa de suavizar sua imagem pública, o presidente interino, Michel Temer, interrompeu seu expediente nesta terça-feira (26) para buscar pessoalmente seu filho caçula, Michel Temer Filho, no primeiro dia de aula dele em Brasília. Para registrar imagens da visita, o Palácio do Planalto informou previamente aos veículos de imprensa sobre a intenção do peemedebista de comparecer à unidade de ensino.[3]

De surpresa, Temer mandou assessores avisarem a imprensa que iria com a mulher Marcela buscar o filho na escola.[4]

A equipe de comunicação do presidente interino Michel Temer mudou de estratégia, da última pesquisa de opinião para cá, e investe tudo na popularização e na “humanização” da imagem do pemedebista.[5]

Como de esperado, a matéria do O Globo, não noticiou que o teatro foi combinado. Mas Temer deixou claro a sua intenção no trecho abaixo:

Ao deixar a escola, acompanhado da mulher e do filho, Temer foi perguntado se iria buscá-lo todos os dias.

— Não, só hoje — respondeu sorrindo.[6]

[1] BBC Brasil. http://www.bbc.com/portuguese/brasil-36779469

[2] O Estadão. http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,projetos-anticorrupcao-devem-perder-urgencia-na-camara-e-tramitar-em-comissao-especial,10000061155

[3] Folha de São Paulo. http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/07/1795576-apos-avisar-imprensa-temer-busca-filho-na-escola-em-brasilia.shtml

[4] Valor Econômico. http://www.valor.com.br/politica/4648107/temer-convoca-imprensa-para-ve-lo-buscar-filho-na-escola

[5]R7. http://noticias.r7.com/blogs/christina-lemos/2016/07/26/temer-vai-buscar-filho-na-escola-e-avisa-a-imprensa/

[6] O Globo. http://oglobo.globo.com/brasil/michel-temer-busca-filho-na-escola-em-brasilia-19787512

19ª Romaria das águas e da terra de Minas Gerais, em Ladainha/MG

Romeiro

Em um momento politicamente delicado que vivemos, com a constante perda dos direitos adquiridos a custo de muita luta e resistência dos movimentos sociais, a 19ª Romaria das águas e da terra de Minas Gerais, realizada na cidade de Ladainha/MG, mostra a capacidade de mobilização que esses movimentos ainda possuem.

Ao final do evento, foi apresentada a carta da romaria, desta carta destaco o seguinte trecho:

Repudiamos o golpe parlamentar, da mídia e do judiciário que, sem crime de responsabilidade, arrancou a presidenta Dilma do exercício do seu mandato legitimamente eleita por 54 milhões de eleitores, maioria. Seguiremos na luta contra os golpes que estão sendo dados no povo brasileiro, cientes de que os golpistas parecem gigantes, mas têm pés de barro.

O que me deixa satisfeito é saber que o termo golpe, tão encoberto pela grande mídia manipuladora está sendo difundido pelos movimentos, o que trás o grande efeito colateral deste golpe (colateral aos golpistas) que é a união dos movimentos sociais de esquerda.

Que essa união dos movimentos sociais seja um exemplo para os partidos políticos ditos de esquerda, que em um momento de união preferem se sucumbir a luta pelo poder pelo próprio poder. Repetem o erro grotesco do PT que nos últimos anos deixou a desejar com os movimentos sociais, principalmente na questão da reforma agrária e demarcação terras indígenas.

As poucas conquistas que os movimentos sociais dos últimos anos estão em grave ameaça pelo (des)governo golpista do Temer, que está a serviço da elite e do grande capital. Caminha para se tornar uma máquina para destroçar com os direitos dos trabalhadores em benefício dos patrões com a desculpa de um “crescimento econômico” ou do “enriquecimento da nação” o que na prática cruel nada mais é do que do que o aumento da centralização da renda à custa da exploração do trabalhador.

Que a união dos movimentos social de esquerda seja sempre crescente, que a luta seja firme a indissolúvel, que os nossos direitos conquistados sejam mantidos, que os golpistas caiam pois resistir é preciso.

Carta da 19ª Romaria das águas e da terra de Minas Gerais

Por que Temer não teme?

Fonte: http://www.gazetadesantarem.com.br/charge-do-dia/bruno-7/

Charge Fonte: http://www.gazetadesantarem.com.br/charge-do-dia/bruno-7/

Temer não teme! É muito estranho isso mediante a série de decisões que há alguns meses atrás deixariam a parcela protestadora elitista dos brasileiros toda atônita. Decisões que fariam os babacas do MBL inflamarem os seus discursos convocando para manifestações em todo o território nacional. Decisões que faria a Globo noticiar a cada minuto o “escândalo” e fazendo assim uma maciça cobertura dos atos dos cidadãos de bem que já não aguentam mais tanta corrupção.

E por falar nisso, onde estão todos aqueles indignados com a corrupção quando mais precisamos deles? Ora, no momento o PMDB é a estrela dos escândalos, inclusive o próprio presidente golpista interino foi citado, mas cadê as panelas, os carros de som protestando nas capitais, o pisca-pisca das luzes dos apartamentos, os buzinaços?

Isso deixa claro uma coisa, tais manifestações não tinham como principal objetivo o combate a corrupção, e sim contra um partido em específico. Uma pena isso. O gigante nunca acordou. Nem mesmo por um breve estante. O que vimos foi uma grande experiência de usar uma população desinformada como massa de manobra para os interesses da elite.

Deixo claro aqui que isso não é uma defesa ao PT. O que partido pague pelos erros e crimes (como vem pagando). A indignação aqui expressa é na clara evidência de um golpe contra a democracia.

Mas por que Temer não tem nada a temer? Ora, um trecho de uma música responde.

Mas o ódio cega e você não percebe.

Sim meus amigos/as, é o ódio encoberto que faz o Temer não temer. Sabe que o odiado hoje é o PT e todos os seus líderes, e a fórmula é simples, basta jogar a culpa de tudo para o PT, inclusive os casos de corrupção do PMDB. A imprensa imparcial é mestre nisso. Vincula imagens de petistas com notícias de corrupção de outros partidos.

Temer não teme porque sabe que será protegido por toda a corja que tem tanto rabo preso quanto o PT. Por todo aquele setor empresarial que quer o fim de direitos que os trabalhadores/as conquistaram com suor, luta e sangue. Pelos ruralistas que querem cada vez mais terras de indígenas e de assentados. Por aqueles malditos capitalistas que expulsam os moradores e trabalhadores rurais de sua terra, estes que vão para a cidade e se amontoam em terrenos abandonados e espaços de alto risco por não terem mais onde ir e mesmo assim a especulação imobiliária destes mesmos capitalistas os expulsam novamente de suas casas precárias e improvisadas, jogando-os ainda mais para uma situação de pauperismo.

Temer não teme porque está amparado pelos interesses do grande capital e pelo medo de outros políticos corruptos tanto quanto, custe os direitos de quem custar.

Que democracia é essa?

urna

Imagem: Creative Commons

Com tanto caos político que vivemos aqui, na terra dos Tupiniquins, onde alguns políticos podem ter a sua idade determinada apenas por teste de carbono 14 ainda estão intocáveis em suas atividades parlamentares; onde outros, com tantas provas contra si, são mais escorregadios do que sabonete envolto em vaselina (Sim, me refiro ao Cunha que ainda não foi cassado). Onde as negociatas e as chantagens não são mais escondidas, são até noticiadas, televisionadas. Ora, que democracia é esta onde a representatividade popular é suprida por interesses pessoais, partidários e de grandes capitais?

É isso que se sente. O povo não é representado pelo congresso. E a prova foi televisionada no dia da vergonhosa votação do congresso para o impeachment da Presidenta Dilma.

“Pela minha família… Pelo meu filho… Pelo meu neto… Pela minha esposa que amo mais que minha amante… Pelos corretores de imóveis… Pela maçonaria… Pelo pov… Não, esse não.” Só faltou algum outro pouco dotado de massa encefálica dedicar o seu voto aos irmãos Koch ou outra coisa mais sinistra. Eu não ficaria admirado.

Mas o que me admira é pensar o quanto é falho o nosso sistema político-democrático. Escolhemos mesmo quem irá nos representar? Escolhemos de fato quem será o nosso prefeito/prefeita, presidente/presidenta ou governador/governadora?

Não! A resposta é não. Nós não escolhemos ninguém, apenas votamos nos escolhidos e elegemos quem tem maior capital para realizar uma boa propaganda e contratar a melhor equipe de estrategistas e marqueteiros. E isso, camaradas, ocorre desde as grandes capitais às pequenas cidades do interior de nosso país.

Os grupos políticos começam a se formar com um intuito único: vencer das eleições para se beneficiarem. Reúnem-se e escolhem dentro de seus grupos o que melhor irá representar o partido, o grupo, não o povo.

Infelizmente, no Brasil, há pouca ideologia partidária. Poucos votam em um partido pela ideologia seguida. Sou mais ousado e afirmo que são poucos os que observam qual é o partido de seu candidato e quais são as posturas do mesmo. O que vale é o marketing pessoal do candidato (e com muita maquiagem).

Ora, as bancadas BBB explicam bem como isso é feito. Escolhem e injetam grana com o intuito de eleger candidatos para a sua bancada, para lutar por seus interesses específicos, por seus negócios, por suas finanças e, se sobrar tempo, pelo povão.

A verdadeira democracia deve vir do poder do povo e para o povo; um poder direto e não dessa forma medíocre, de migalhas que caem da mesa – assim como estamos acostumados –, onde o “poder” é temporal: sendo mais específico, a cada eleição. Aí o povo é lembrado, é requisitado e é importante. É nessa época que os nossos políticos dão exemplo de humildade em cadeia nacional, para pedirem os nossos sagrados votos.

Quando surge uma oportunidade de ser dar poder ao povo ou, pelo menos, de permitir uma maior participação nas decisões públicas, os nossos representantes logo dão um jeito de “podar” essa possibilidade a qualquer custo. A exemplo, a reprovação da proposta da implantação da Política Nacional de Participação Social (PNPS), a qual estabelece consulta a conselhos populares por órgãos do governo antes de decisões sobre a implementação de políticas públicas. Veja bem, os conselhos seriam consultivos e seriam uma forma da população local ser ouvida sobre determinada política a ser implantada. O que temos hoje é uma forma horizontalizada de imposição de políticas públicas, muitas vezes de forma engessada, sem levar em consideração as peculiaridades regionais que só quem ali vive e convive sabe diferenciar. Mas qual é o medo do congresso? O medo é de perderem poder. Medo de quem os elegeu e não representam. Medo do povo.

Temos um sistema eleitoral-político falho e de eleições indiretas. Tem de haver uma reforma política profunda, que quebrará velhos paradigmas democráticos. Talvez, até uma mudança na forma que acreditamos, hoje, ser uma democracia.

Quando a intolerância política vem embutida na intolerância religiosa.

Recentemente vi um vídeo no Facebook onde um pastor evangélico (não sei se ele é cubano, mas a sua igreja fica em Cuba) afirma que a sua esposa foi presa pelo governo dos irmãos Castro e a sua igreja foi demolida[1]. Se tal fato ocorreu, seja a mando do governo cubano ou não, é algo de se abominar, além de tudo devemos ter respeito por nosso próximo.

A questão é: Não precisamos todos gostar da mesma coisa, mas devemos respeitar aqueles que pensam diferente.

Mas o que quero destacar é o fato do destaque ser o governo cubano, um governo comunista. Isso reacende todo aquele mito do comunismo que irá intervir até nas crenças religiosas do povo, privando ao máximo a sua liberdade. Também me lembra daquela velha história de que os comunistas “comem” criancinhas.

Ora, se o governo Castro tivesse visto a liberdade religiosa como algo ameaçador ao seu governo a mesma seria “podada” quando tomaram o poder nos anos 1950, no entanto o que temos em Cuba é uma grande diversidade religiosa. Mas sabemos que a grande maioria dos cubanos são católicos, há também protestantes, espíritas, judeus, muçulmanos e a Santeria (que seria como o candomblé aqui no Brasil)[2], sem falar da grande quantidade de lojas maçônicas na ilha caribenha.

Pesquisando sobre o tema dos evangélicos em Cuba, me deparei com alguns sites com matérias do tipo “Como é ser um cristão em Cuba?[3]”, “Pastor batista é preso em Cuba[4]” (ambos com entrevista do mesmo pastor) e muitos outros. Em uma das declarações, esse mesmo pastor disse que há hoje o dobro de igrejas em Cuba do que há 30 anos. Ora, cadê o empenho do governo em acabar com as igrejas?

Mas vou para outro foco, o que eu pretendo de fato com este texto, e quero partir da mesma pergunta acima: Como é ser um cristão em Cuba?

Quero refazer um pouco essa pergunta, mudando apenas duas palavras:

  • Como é ser um(a) MUÇULMANO no BRASIL?
  • Como é ser um(a) ESPÍRITA no BRASIL?
  • Como é ser um(a) CANDOMBLECISTA no BRASIL?
  • Como é ser um(a) ATEU no BRASIL?
  • Como é ser um(a) BUDISTA no BRASIL?
  • Como é ser um(a) JUDAÍSTA no BRASIL?

Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás ver com clareza para tirar o cisco do olho de teu irmão. (Mateus 7:5)

No Brasil, 86% se declaram cristãos. Destes 64,6% são católicos e 22,2% são evangélicos[5][6]. O interessante é que mesmo sendo evangélicos e católicos cristãos, ambos não se combinam. O que vemos aqui no Brasil é católicos contra evangélicos, evangélicos contra católicos e todos contra as outras minorias.

Bem me lembro, na minha infância (evangélica), que era forte a briga de evangélicos e católicos. Quem nunca ouviu “Crente do c* quente”? Ora, isso era normal, os evangélicos eram a minoria e, no entanto, eram os oprimidos e perseguidos. Hoje a realidade é outra, digamos que o “jogo virou”.

Lembro também de evangélicos afirmando aos gritos que iriam para o céu enquanto católicos iriam para o inferno. Acirrando assim ainda mais a disputa de qual religião é a certa e qual é a errada.

A falta de respeito também já foi televisionada quando um pastor da Igreja Universal chutou a imagem de uma santa católica (1995) e símbolo religioso nacional[7]. 20 anos depois fatos similares ainda continuam a acontecer no nosso país, como em 30/03/2015 na cidade de São Gonçalo do Amarante, região metropolitana de Natal (RN)[8]. Ou como outro caso em 16/07/2014 onde dois jovens evangélicos invadiram a igreja matriz da cidade mineira de Sacramento e destruíram oito imagens de santos, um dos rapazes alegou que não concorda com a idolatria às estátuas comuns na igreja católica[9].

Agora vemos também outras religiões sendo vítimas da intolerância religiosa, como o caso da menina candomblecista apedrejada quando saiam de um culto. Segundo relato da avó da criança, “O que chamou a atenção foi que eles começaram a levantar a Bíblia e a chamar todo mundo de ‘diabo’, ‘vai para o inferno’, ‘Jesus está voltando’” [10].

Os muçulmanos também estão na lista dos agredidos, como o fato ocorrido aqui no Brasil após os atentados ao jornal Frances Charlie Hebdo. Muçulmanos passaram a ser agredidos fisicamente e moralmente. Como o caso ocorrido em Minas Gerais, onde uma muçulmana foi cuspida por uma pessoa enquanto brincava com o filho de seis anos no clube da sua cidade. “Assassina! Ninguém quer você aqui”, gritou o agressor[11].

Há o caso do espírita que foi agredido em frente a suas filhas por evangélicos. O espírita por reclamar de barulho de culto ao síndico do prédio[12].

O que temos hoje são líderes religiosos que de forma sutil pregam a intolerância ao afirmar que apenas a sua crença é verdadeira e levam a salvação e as demais são erradas, demoníacas e que levarão a condenação eterna. Pastores que usam as redes sociais para pregar o ódio e esquecem a verdadeira mensagem de Cristo, o amor.

Então, antes de reclamar a perseguição de um governo, lembrem-se da própria perseguição praticada dentro das igrejas e que em nosso país livre e democrática há tanta perseguição religiosa quanto qualquer outra nação, seja pela mão do governo ou pelos algozes religiosos.

 

Citações do texto para auxílio ao leitor.

[1] http://www.cpadnews.com.br/universo-cristao/32146/igreja-e-demolida-e-200-pessoas-sao-presas-em-cuba.html

[2] http://www.portalbrasil.net/americas_cuba.htm

[3] http://www.anajure.org.br/como-e-ser-um-cristao-em-cuba-confira-a-resposta-numa-entrevista-exclusiva-e-reveladora-com-o-pastor-cubano-mario-barroso/

[4] http://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/pastor-batista-e-preso-em-cuba-irma-relata-injustica.html

[5] http://www.ibge.gov.br/estadosat/temas.php?tema=censodemog2010_relig

[6] http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-ibge-e-a-religiao-%E2%80%93-cristaos-sao-868-do-brasil-catolicos-caem-para-646-evangelicos-ja-sao-222/

[7] https://www.youtube.com/watch?v=VpPwWEsk0OY

[8] https://noticias.gospelprime.com.br/evangelico-igreja-quebra-santos/

[9] http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,evangelicos-invadem-igreja-e-destroem-imagens-de-santos,1530106

[10] http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/06/menina-vitima-de-intolerancia-religiosa-diz-que-vai-ser-dificil-esquecer-pedrada.html

[11] http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-01-25/islamofobia-no-brasil-muculmanas-sao-agredidas-com-cuspidas-e-pedradas.html

[12] http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/02/intolerancia-religiosa-espirita-e-espancado-por-evangelicos.html

Mas o ódio cega e você não percebe*.

Com toda essa enxurrada de escândalos e na forma em que são apresentadas nos noticiários nos leva  a crer que nunca houve corrupção no Brasil, que antes o nosso país era um paraíso bíblico.

No princípio criou Deus os céus a Terra, tudo era lindo e perfeito. Então Deus criou os animais da terra, das águas e do ar. Criou homem, que também era perfeito, honesto e justo. Criou a mulher que também era perfeita, honesta e justa. A humanidade ficou nesse paraíso por milênios até que na década de 1980 foi fundado o PT e a corrupção apareceu no mundo.

 

O que o PT passa atualmente é um desgaste. Desgaste que até poderíamos considerar como parte de um processo natural de mais 13 anos no poder, talvez um desgaste até previsto, porém em proporções menores. Mas não adianta tapar o sol com a peneira. As coisas não andam muito bem. O PT teve a oportunidade de, pelo menos, diminuir drasticamente a corrupção no nível federal quando foi eleito, mas parece que ao ver o que vinha sendo feito decidiu fazer como os antecessores, e deu continuidade a corrupção da máquina.

O preço para se manter no poder foi muito alto e o grande pecado do PT foi ter se distanciado dos movimentos sociais que sempre o apoiou. Foi se dobrando aos interesses do capital financeiro e dos grandes capitalistas, fechando os olhos para o avanço da agroindústria na amazônia, a massacre que ocorre com os nossos índios, o êxodo rural ainda em massa, políticas econômicas que beneficiam os mais ricos e massacram os mais pobres, entre outros vários fatores que mostram que o PT está muito longe de suas ideologias de base, aquelas ideologias que sonharam na sua fundação.

Também é inegável os ganhos do país nesses 13 anos, como a diminuição da mortalidade infantil[1], a criação de institutos e universidades federal em todo país[2] [3], a diminuição da desigualdade social[4] e o Brasil ter saído do mapa da fome[5].

Dentre os benefícios e os desgastes, há um legado que foi deixado nas eleições presidenciais de 2014. O ódio. Um país dividido de várias formas, por gênero, raça, regionalidade, escolaridade, econômica, partidária, religiosa, entre outras. Esse legado deve e será creditado tanto na conta do PT quanto do PSDB, quando o segundo turno explodiu em um acirramento grosseiro e baixo, onde ambos os lados queriam vencer a qualquer custo.

Quando foi anunciada a vitória da presidenta Dilma com expressiva quantidade de votos no nordeste, o nosso povo nordestino passou a ser perseguido na web por ter exercido o seu direito democrático de escolha[6].

Parece que as máscaras em fim caíram. Assumir um discurso de ódio não é mais uma coisa banal, imoral. A prova disso são os vídeos que aparecem de brasileiros humilhando imigrantes haitianos, acusando-os de fazerem parte de um plano do governo para um golpe[7]. Também há as agressões a umbandistas[8] [9], aos homoafetivos e aos transexuais, essa eu credito na conta da bancada evangélica, pois os seus “personagens” no congresso ganharam grande destaque na mídia e disseminarem o seu discurso de ódio em nome de uma moral religiosa e excluidora [10] [11] [12].

A grande imprensa assumiu nitidamente um lado partidário, onde ela investiga, julga e condena. Publica notícias sem antes verificar a veracidade das fontes, ou fazer uma matéria de um político e esquecer de apagar “podemos tirar, se achar melhor” [13] e replicar nas mídias de comunicação.

Dizer hoje que ODEIA O PT não é repudioso, é lindo, é louvável.

A prioridade não é melhorar o Brasil para todos os brasileiros e sim tirar, escorraçar, eliminar o PT.

No dia 15 de janeiro de 2016, o jornal Rio Grandense publicou uma errata de um chargista, onde o mesmo caracterizou o ex-presidente Lula ligando-o a um escândalo de corrupção, quando na verdade a denuncia apresentava o seu antecessor[14]. Isso não foi a primeira vez[15] [16] [17].

image28-402x600

Jornal Zero Hora

VejaErro

Revista Veja

O que acredito que todos devem apoiar é que a justiça seja feita. Seja qual for o partido. E é isso que deve ser feito para moralizar o país e não perseguir uma sigla, não querendo interromper um mandato conquistado democraticamente sem nenhuma prova concreta, apresentando apenas fatos especulativos.

As manobras do Eduardo Cunha é uma vergonha para a nossa democracia. Ficou claro que o processo de impeachment que ele deu segmento foi uma tentativa de não afundar sozinho. As provas de que mentiu, de que de fato tem contas secretas na Suíça são tão sólidas que não geraram nenhuma dúvida[18] [19]. Mas não se vê a oposição, aquela que quer ser exemplo e modelo de honestidade e moral, se manifestar contrário. Tem o Cunha como um boneco de fantoche, ou melhor, um forte candidato a homem-bomba no atual cenário político.

O que temos não é uma oposição ao governo, temos uma oposição ao Brasil[20]. A turma do quanto pior melhor. O Aloísio Nunes (PSDB) afirmou que quer ver o Governo Dilma sangrar até o fim[21]. Ou seja, quer ainda mais o desgaste, mas enquanto aos interesses do povo brasileiro que ele foi eleito para defender? Esse tipo de sujeito que deve ser expurgado do cenário político.

Não se percebe que esse ódio é maléfico em vários eixos. O ódio não pode ser visto como normal, não pode ser agregado a nossa cultura. O discurso de ódio não pode ser apresentado nos veículos de comunicação como vem sido feito.

Somos um só povo. Uma só nação. Essa semente de ódio é perigosa, não podemos deixá-la germinar, e se germinar, deveremos arrancá-la antes que seja tarde demais.

Não podemos nos cegar com o ódio. O ódio não é normal.

 

* Trecho da música Camila, Camila

Imagem de capa: Tnarik Innael – Licença de uso CC.

Referências para consulta

Continue lendo